WordPress Headless é um termo popular que está ganhando força ultimamente e muitos acreditam que este é o futuro da plataforma. Mas você sabe o que esse termo significa?

O WordPress é uma plataforma extensa e incrivelmente complexa, mas tem suas limitações.

Embora seja uma ferramenta completa para blogueiros e Desenvolvedores da Web criarem os mais diversos websites, ela não permite que você faça tudo. Por exemplo:

  • Publicar conteúdo em várias plataformas
  • Codificar seu site em linguagens diferentes de PHP e Javascript
  • Usar o WordPress como uma ferramenta editorial sem o site anexado

No entanto, tudo isso é possível com o WordPress Headless. É preciso um pouco de conhecimento técnico, mas, ao dissociar o WordPress de seu front-end, você pode usar as ferramentas de gerenciamento de conteúdo de back-end para praticamente qualquer coisa que possa imaginar.

Pronto para mergulhar fundo neste tópico e ver o que o WordPress sem cabeça pode fazer por você? Então vamos indo.

O que diabos é o WordPress Headless?

Um sistema de gerenciamento de conteúdo (CMS) geralmente vem com duas partes: o front-end e o back-end.

O back-end é onde entra a parte “gerenciamento”. No WordPress, é aqui que você cria e publica posts e páginas do blog, além de gerenciar vários aspectos do seu site, como configurações, aparência e outros usuários.

O front-end é o que as pessoas veem quando visitam seu site. No WordPress, ele muda sua aparência e atualiza as páginas à medida que você trabalha nos back-end e modifica Temas.

Para a maioria dos usuários, essa solução CMS “acoplada” funciona bem, fornecendo uma maneira de criar facilmente um site e gerenciar conteúdo escrito.

A desvantagem é que o front-end e o back-end desse tipo de aplicativo geralmente são inseparáveis, uma vez que dependem muito um do outro.

Um CMS Headless desacopla essas duas partes, deixando apenas o back-end intacto. Você tem seu banco de dados, seu painel de administração e suas ferramentas de gerenciamento de conteúdo — mas nenhum tema ou site.

No entanto, usando a REST API, você pode conectar qualquer coisa a ele, desde um aplicativo mobile, um site personalizado, etc. As implicações disso são enormes para os desenvolvedores.

Por que você gostaria de usar um CMS Headless?

Tornar o WordPress Headless desconecta o front-end, deixando você livre para usar o back-end para qualquer finalidade. Crie seu próprio site, aplicativo ou ferramenta de gerenciamento de conteúdo; as possibilidades são infinitas.

O WordPress é codificado principalmente em PHP, com um pouco de Javascript. No entanto, como um CMS Headless, é possível conectar seu site a aplicativos de terceiros feitos em Ruby, Python ou outras linguagens usando a API.

Se desejar, você pode codificar todo o site em uma linguagem diferente e que tenha uma experiência melhor para seus visitantes.

E esse é exatamente o ponto: você obtém a instalação completa do WordPress com quase todos os seus recursos intactos e a capacidade de experimentar estruturas da Web que antes eram incompatíveis.

Tudo o que você precisa fazer é usar a API REST integrada para conectar seu site personalizado e o WordPress, e tudo se encaixará perfeitamente.

É assim que o WordPress já funciona, mas com um pouco de código, você pode cortar as conexões padrão e substituir o front end do seu site por um PWA ou uma interface feira em React ou Flutter. Se ele pode se conectar a uma API, você pode usá-lo com o WordPress.

A dissociação do WordPress também pode melhorar a segurança, especialmente se você tiver o site e o administrador do WordPress em diferentes servidores e domínios.

Hacks e ataques DDoS somente poderão atingir um desses pontos de extremidade. Portanto, se a segurança é muito importante para você, um CMS Headless em um servidor oculto pode ser a solução.

Em resumo: se você deseja usar a interface do WordPress para se conectar a um site ou aplicativo personalizado, use o WordPress Headless.

O que o WordPress Headless pode fazer?

A dissociação do CMS libera os desenvolvedores para experimentar coisas novas e trabalhar com idiomas que antes não podiam ser emparelhados com o WordPress.

Você provavelmente tem algumas idéias para o que você pode usar um CMS decapitado, mas aqui estão alguns casos de uso mais específicos:

  • Use as robustas ferramentas de gerenciamento do WordPress para criar e acompanhar o conteúdo. No WordPress decapitado, se configurado corretamente, os links permanentes vão direto para a página de edição. Adicione outros autores e editores, faça uso do sistema de funções de usuário e trabalhe em conjunto em projetos. Você pode até usá-lo como uma ferramenta editorial independente.
  • Codifique seu site público em um idioma com o qual você se familiarize mais — além de HTML / CSS, PHP e Javascript -, mas ainda aproveite a estrutura de blog bem elaborada do WordPress.
  • Mesmo que você conheça todos esses idiomas, o WordPress usa sua própria versão otimizada de cada um. Não quer lidar com o aprendizado do PHP do WordPress? Descompacte-o e use seu próprio código.
  • Altere estruturas a qualquer momento — mas mantenha seu conteúdo seguro. Se, no futuro, você decidir refazer tudo do zero em uma estrutura mais relevante, já que está usando uma API e não um CMS tradicional codificado, a troca de tudo é super fácil.
  • Crie um aplicativo que ligue do WordPress para carregar conteúdo. O Headless não se limita apenas a sites! Você pode usar o WordPress com todos os tipos de software.
  • Use estruturas e bibliotecas que normalmente não funcionam no WordPress, como Ruby on Rails, Django, Vue.js, React e muito mais.
  • Publicação multicanal e multiplataforma. Não é irritante e demorado publicar o mesmo conteúdo em seu site, aplicativo, mídia social etc. Com a API REST, você pode automatizar todo o processo, publicando postagens do WordPress em várias fontes.

Quando não usar o WordPress Headless?

Embora o WordPress sem cabeça seja uma solução inovadora, há coisas que você deve ter em mente ao decidir se faz a transição ou não.

  • Se você não é um desenvolvedor experiente, esse método provavelmente é mais difícil do que vale a pena. Os tutoriais podem ajudar você a começar, mas, quanto à manutenção e erros, você está por sua conta. O WordPress sem cabeça pode ser uma grande dor de cabeça para desenvolvedores mais recentes.
  • Não desenvolvedores, como clientes, autores / editores e designers, provavelmente terão dificuldades. Navegar e trabalhar no ambiente dividido exige alguns ajustes. A configuração tradicional do WordPress é fácil de entender para desenvolvedores e não desenvolvedores e, se você estiver criando sites de clientes, é quase definitivamente superior.
  • Problemas de manutenção. Optar por desacoplar significa ter um front-end e um back-end separados. Em outras palavras, dobre a manutenção, dobre os servidores e dobre a confusão, se algo der errado. Você também precisa lidar com a API REST conectando os dois.
  • A dissociação do WordPress não o deixa 100% intacto. Por exemplo, o editor WYSIWYG e a visualização ao vivo não funcionam. Outras áreas podem estar com erros ou exigir otimização para sua configuração específica.
  • Essa rota pode ser cara, pois exige a codificação de um front end personalizado e o trabalho em um ambiente dividido. Como mencionado anteriormente, a manutenção será mais difícil, portanto, você precisará contratar desenvolvedores que sabem o que estão fazendo.
  • Se você não está interessado em codificar seu próprio site, o WordPress sem cabeça não é a escolha certa. Tente outra solução para publicação multicanal, como PressRoom ou um CMS híbrido.

Resumindo: se você não está criando uma plataforma multicanal, não tem meios de manter uma configuração complicada, não está conectando o WordPress a um aplicativo ou site separado e não deseja criar seu próprio site ou trabalhar com ele você deve seguir o WordPress normal.